Bracarae - O fórum de Braga! • Ver Tópico - Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Entrevista a Ricardo Rio - Parte II  

Entrevistas dos utilizadores do fórum a personalidades bracarenses.

Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Mensagempor DoctorDre » sexta jan 28, 2011 5:06 pm

Aqui está a 2ª e última parte da grande entrevista ao Dr. Ricardo Rio! Se não leram a 1ª parte podem fazê-lo aqui: viewtopic.php?f=8&t=2482

Mais uma vez queremos frisar o nosso mais sincero agradecimento ao Sr. Dr. Ricardo Rio pela sua inteira disponibilidade em participar nesta iniciativa.

Fiquem com a entrevista e deliciem-se!

Em breve uma nova personalidade será nosso alvo na iniciativa "Perguntas a..."!


Imagem



9. BRACARAE-AVGVSTE - O Dr. Ricardo Rio tem mostrado um grande interesse na cooperação entre o município e a UM. Uma das inúmeras situações problemáticas da UM em Braga é a biblioteca pública e o arquivo distrital. Os edifícios do largo do paço estão repletos de livros/documentos, e a lotação está perto do ponto de rotura. Que soluções propunha para esta situação?
Qual a sua opinião em relação da criação dum pólo cultural (museu de Braga, biblioteca, etc) no Largo do Paço?

RICARDO RIO - A minha proposta de relacionamento entre a Câmara Municipal e a Universidade vai muito para lá da mera colaboração em projectos pontuais.
Eu entendo que estas duas entidades são parceiros incontornáveis de um real projecto de desenvolvimento para o Concelho, sendo que a Câmara pode e deve socorrer-se do conhecimento produzido e acumulado na Academia para enriquecer tecnicamente as opções políticas que possa tomar para qualquer dos domínios de intervenção do Município.
Daí que tenha mesmo assumido a ideia de criação de um Pelouro de Ligação à Universidade que, no domínio da gestão da Autarquia corporizaria, a lógica subjacente às iniciativas o Dia da UniverCidade que a Coligação promoveu em diferentes ocasiões (dando espaço à intervenção de académicos sobre diferentes facetas da actividade municipal).
Curiosamente, os responsáveis socialistas começaram por ridicularizar a iniciativa lançando em tempos o mais vergonhoso dos comunicados do Gabinete da Presidência – em que se dizia que o que nós pretendíamos é que “líderes académicos e dirigentes políticos não passarão um dia que seja sem que consertem o futuro do concelho ao sabor do mesmo prato e do mesmo copo e ao som de um trompete afinado pelo mesmo diapasão”.
Neste mandato, porém, a maioria socialista apressou-se a subscrever as “Agendas de Cooperação” com a Universidade, de que ainda rareiam os resultados práticos.
Em relação a esses projectos concretos, todos foram abordados na mais recente reunião que mantive com o actual Reitor da Universidade, em Novembro último.
Quanto ao Arquivo, a hipótese que está a ser considerada é a da sua transferência para o edifício que a Universidade possui na Rua Abade de Loureira. Em paralelo, existe já um projecto de criação de um espaço patrimonial e cultural no Largo do Paço que requer um investimento na ordem dos 10 milhões de Euros.
Naturalmente, este projecto requer a congregação de esforços de várias entidades, nomeadamente para o seu financiamento, e a Autarquia é um parceiro incontornável do mesmo.


10. BA - Durante os trabalhos arqueológicos do antigo quarteirão dos CTT, foram encontrados dois importantes pólos Romanos e da Antiguidade Tardia. A UAUM determinou a sua musealização in situ, a qual foi amplamente difundida pela própria promotora, que reivindicou avultados custos para a mesma. Contudo pelas notícias mais recentes, parece ficar evidente que estes pólos ficarão ao abandono, à espera de verbas. Vendo o exemplo da Ínsula das Carvalheiras, terão estes dois pólos o mesmo destino?
RR - Em relação a esses vestígios há que registar vários aspectos.
O primeiro, para notar que foi graças à divulgação dos trabalhos em curso por parte de um dos arqueólogos envolvidos que se conseguiu gerar a pressão pública necessária para garantir a respectiva salvaguarda.
O segundo para lembrar que se trata de um espaço privado, sendo que em relação ao seu futuro há que ter em conta: as condicionantes impostas pelo IGESPAR para o desenvolvimento da construção, os compromissos assumidos pelo particular perante a Câmara aquando do respectivo licenciamento e os custos que possam estar envolvidos nas iniciativas de salvaguarda, para as quais se requer também a colaboração pública (como aconteceu em outros espaços hoje musealizados).
No caso da ínsula das Carvalheiras, que até se trata de um espaço público, há que evidenciar a falta de vontade política em avançar com o projecto como justificação para a inércia verificada de há muitos anos a esta parte.


11. BA - Caso fosse presidente da CMB, O Teatro Romano seria recuperado e reconstruído para albergar espectáculos, como chegou a ser proposto aquando da sua descoberta? Estando actualmente na oposição, que acções terá no sentido do estudo e recuperação deste importante edifício? Mais de 70% da área da antiga cidade Romana permanece por estudar, entende que devia ser constituído algum projecto de "estudo activo" destes terrenos, ao invés do que actualmente é feito, apenas o acompanhamento e estudo prévio face a obras privadas e públicas?
RR - Enquanto que outros consideram que organismos como a UAUM se limitam a "brincar às escavações", eu entendo que é imperioso ter uma política estruturada de identificação, estudo, recuperação e divulgação do património local.
Nesse âmbito, a falta de uma política integrada de preservação e promoção do património, em conjunto com a inexistência de um roteiro turístico especialmente vocacionado para o sector patrimonial têm sido temas recorrentes dos reparos que fazemos à conduta da Câmara Municipal de Braga, corroborados por vários episódios do passado recente.
A este propósito, já sugeri a possibilidade de adopção de um modelo de gestão assente na criação de um consórcio, similar ao que vigora em Mérida. Em verdade, dado o êxito indesmentível deste modelo não só na recuperação da vertente arquitectónica e cultural da localidade espanhola, mas também e sobretudo da própria dinâmica turística e da afirmação externa da cidade, que se alicerçou na herança histórica como base de um projecto de futuro, Braga teria tudo a ganhar com um projecto análogo.
Nesse âmbito, defendi a integração de instituições como a Câmara Municipal, o Ministério da Cultura, a Universidade, a Diocese e entidades de natureza empresarial que se dedicam ao mecenato.
Ainda assim, mesmo que o modelo não avance desde já, até por entraves governamentais, parece-me premente o avanço efectivo da recuperação do Teatro Romano de Braga, tal como considero a musealização da Ínsula das Carvalheiras, com o forte envolvimento da Autarquia em ambos os projectos.


12. BA - Braga em termos empresariais não é um concelho atractivo, e actualmente tem perdido empresas a um ritmo preocupante. Que medidas deveriam ser tomadas para potenciar a criação, crescimento e dinamização das empresas no concelho? Na área das empresas tecnológicas não possuiu qualquer infra-estrutura especifica para as albergar e cativar a sua instalação no concelho. Atendendo também à instalação do INL, e as suas potencialidades, e a fuga das start-ups da UMinho da área do Campus de Gualtar para o AvePark que soluções propõe para que Braga possa beneficiar, cativando a instalação no concelho, desta nova geração de empresas?
RR - O concelho de Braga caracteriza-se por uma elevada diversificação das actividades económicas, abarcando unidades representativas de todos os sectores, da Agricultura e Pecuária aos Serviços, passando pela frágil estrutura industrial (se excluirmos o notável sector da engenharia e construção civil) e pela rica e diversificada actividade comercial.
Acresce à estrutura económica já existente um conjunto de factores positivos que podem fortalecer as vantagens competitivas do concelho e contribuir para a sua afirmação mais veemente no futuro próximo: a riqueza do seu património etnográfico, cultural e natural; o dinamismo empresarial existente, quer a título individual, quer ao nível associativo; a existência de uma população jovem com um nível crescente de qualificações; o papel da Universidade do Minho e demais Instituições de Ensino Superior ou Profissional; os acessos viários e ferroviários existentes ou potencialmente a criar no quadro do Quadrilátero Urbano; o INL e a proximidade geográfica e cultural com o resto do Norte de Portugal e com a Galiza.
Por todos estes motivos, Braga reúne características únicas para ver a sua economia sofrer um impulso decisivo ao longo dos próximos anos, assegurando o aumento dos níveis de emprego e da qualidade de vida da população, projectando-se como uma das cidades mais pujantes da Península Ibérica.
Se muitos dos desafios relevantes para a prossecução deste objectivo impendem sobre os ombros dos agentes económicos locais, das suas associações representativas e do próprio Estado, convém realçar as responsabilidades da gestão autárquica neste projecto.
Todavia, aquilo que assistimos ao longo dos últimos anos é uma evidente incúria e um manifesto desnorte estratégico, com a Autarquia a colocar-se à margem desta responsabilidade e a contribuir para a perda de importantes mais-valias do Concelho (como aconteceu com a saída da Bracalândia ou com a não concretização da nova Área de Localização Empresarial projectada no início da década).
Neste mandato, mudou novamente o responsável pelo Pelouro mas sem resultados práticos. Poder-se-ia mesmo dizer que é um mal que integra o código genético da família socialista de Braga…
O problema é verdadeiramente transversal a todo este sector, sendo também evidente na parca colaboração com a animação comercial do centro da cidade (recentemente mitigada com algumas iniciativas positivas), na voraz fiscalidade municipal, no abandono a que foi votado o Mercado Municipal, na falta de aproveitamento do potencial turístico do Concelho – como recentemente demonstrámos na esfera específica do turismo religioso e como comprovou o truculento processo de adesão à Entidade Regional de Turismo do Norte -, ou na falta de investimento na criação de uma estrutura que possa dinamizar o turismo profissional (Centro de Congressos) e o sector das Feiras e Exposições.
Não foi por acaso, aliás, que há muito defendemos a extinção da empresa que gere o Parque de Exposições de Braga e a criação de uma nova estrutura que coordenasse as políticas de dinamização económica do Concelho, de forma integrada, coerente e eficaz.
No caso das empresas de cariz tecnológico, é óbvio que Braga há muito precisava dessa estrutura de acolhimento mas, na sua ausência, cada empresa foi encontrando soluções próprias sendo hoje mais difícil conferir-lhe viabilidade económica.
Note-se, também que na nossa óptica este tipo de políticas tem que ser sustentado num debate contínuo e alargado e num conhecimento profundo da realidade do Concelho, razão pela qual entendemos que as mesmas deveriam ser articuladas no quadro da criação de um Conselho Económico e Social local.


13. BA - Um dos problemas actuais da CMB é o desgoverno económico/financeiro que tem bloqueado inúmeros projectos e o desenvolvimento da cidade e concelho. Qual a sua opinião sobre o assunto e como regular a situação financeira?
RR - Há alguns meses, disse publicamente algo que julgo caracterizar bem a situação financeira da Autarquia: “as opções erradas que a actual gestão socialista tomou no passado recente – sobretudo ao nível do Estádio Municipal, das Piscinas Olímpicas e das Parcerias Público-Privadas – reduziram os requisitos do próximo Presidente da Câmara à faculdade de ser alguém que saiba assinar cheques”.
A expressão é obviamente exagerada mas procura traduzir a pesada factura que a actual maioria vai deixar para os Executivos e para as gerações vindouras de Bracarenses. Veja-se que só por via dos encargos assumidos para as próximas duas décadas, sem contar com os custos fixos de funcionamento e com o descalabro financeiro de algumas empresas municipais, a Câmara tem comprometido cerca de 15% do seu Orçamento.
Neste contexto, e no quadro da preparação das Opções do Plano e Orçamento da Autarquia para 2011, entendemos dar um conjunto de contributos que, mais do que ir de forma exaustiva ao conjunto de iniciativas e realizações que entendemos necessárias e prementes no Concelho, enquadravam uma nova filosofia de gestão, quer no plano da gestão financeira, quer na vertente política da Câmara Municipal de Braga.
No primeiro caso, a que se reporta esta questão, incutindo práticas de rigor e transparência na gestão municipal, que passariam por alterações sensíveis na postura da Autarquia. A saber:
i) A racionalização dos custos de funcionamento da Câmara Municipal. No domínio da gestão, a Câmara Municipal de Braga deve elaborar um plano com o objectivo de reduzir os custos supérfluos nos seus serviços (e de que se exclui a componente de recursos humanos). A aplicação desse plano trará, de certo, ganhos em termos de eficiência na gestão dos recursos financeiros.
ii) A assunção do princípio da transparência financeira. No imediato, a aplicação desse princípio passará por a Câmara Municipal de Braga apresentar, a dez anos, um plano dos encargos financeiros efectivamente assumidos, quer em sede de financiamentos bancários contraídos, quer em sede de outro tipo de responsabilidades, nomeadamente as parcerias público-privadas.
iii) A adopção do princípio da Accountability. A Câmara deve responsabilizar e avaliar quem exerce funções de gestão, em concreto quem o faz nas empresas municipais. Mais do que uma avaliação política, devem ser imediatamente implementados critérios de avaliação objectivos, quantificáveis e calendarizáveis do desempenho dos gestores municipais.
iv) O respeito pelo princípio da escala dos investimentos. Dada a escassez recursos, é importante assegurar que cada investimento autárquico tenha o maior impacto possível na vida dos cidadãos. Nesse sentido, a Câmara deve dar prioridade a investimentos que se enquadrem numa óptica multi-freguesia, que abranjam varias zonas do território do Concelho. Todos esses investimentos devem estar enquadrados num planeamento estratégico global. O princípio da subsidiariedade com os agentes de desenvolvimento locias (IPSS; Juntas de Freguesia, Associações, …) é essencial na escolha dos investimentos, a Câmara Municipal de Braga tem de actuar em colaboração e parceria com os agentes que estão no terreno.
v) A adopção de uma politica de compromisso e de verdade. É tempo de a Câmara Municipal fazer o que é por nós pedido há vários anos: a limpeza do plano plurianual de investimentos. Trata-se de um depósito de intenções em que se limitam a elencar obras que não saem do papel. Tem de haver uma lógica de verdade, o que significa que as obras que estão previstas no plano são para, de facto, se fazer, devendo surgir com verbas e prazos de conclusão claros e escrutináveis.
Para o futuro, a Câmara tem também que reequacionar as suas fontes de obtenção de receita, reduzindo progressivamente o peso da fiscalidade municipal, que é naturalmente inibidor da sua competitividade.


14. BA - Um dos assuntos que é debatido neste fórum é a cada vez maior perda de importância no contexto nacional e até mesmo regional. É voz corrente que a dimensão da cidade e do concelho, está longe de ser reconhecida pela Administração Central. Isso pode ser notada na progressiva perda de Direcções Regionais, locais de atendimento de instituições nacionais, ou suas delegações regionais, etc. Como pensa que isso pode ser combatido e quais as suas ideias para recolocar Braga numa situação de maior protagonismo, tanto a nível regional e mesmo nacional. E num cenário de Regionalização, defende a constituição da Região Minho?
RR - Há várias formas de combater essa diluição da importância e protagonismo nesses diferentes contextos.
A primeira parece-me ser claramente a capacidade de inovar e “fazer bem”. Braga só costuma ser notícia pelo que de mal cá acontece e não será por demérito das estruturas de comunicação que apoiam os agentes locais.
Há que desenvolver projectos realmente diferenciadores nas várias áreas de actuação, transformando Braga numa referência e num exemplo a seguir.
Ora, isto aplica-se à Autarquia e, por maioria de razão, a todos os agentes de desenvolvimento do Concelho.
Por outro lado, há que ganhar peso político por duas vias: a participação e a reivindicação.
Braga só aderiu de forma mais empenhada a lógicas de cooperação supra-municipais (como na CIM Cávado ou no Quadrilátero Urbano) com a “cenoura” do acesso a Fundos Comunitários.
Hoje em dia, é fundamental assumir um papel proactivo e desafiante dos concelhos vizinhos para a concretização de projectos que a todos aportem benefícios (na área dos transportes, da cultura, da dinamização económica, do ambiente, …).
Ao nível da reivindicação, os interesses de Braga e dos Bracarenses não se compadecem com uma postura submissa dos nossos representantes autárquicos, por meras lógicas de subordinação a interesses partidários.
Dou-lhe um exemplo: o que é que Braga conseguiu graças à participação do seu Presidente da Assembleia Municipal no actual Governo do País e à natural proximidade com os seus responsáveis máximos? Ou o Dr. António Braga só está a descobrir as necessidades de Braga com a sua participação nas parcas inaugurações que tiveram lugar neste mandato autárquico?
Sou um forte defensor do Minho e tenho uma enorme mágoa pela incapacidade revelada pela GAMM, em que eu acreditei como modelo ideal de desenvolvimento regional.
Num novo processo de regionalização (a que estou hoje convertido), defenderei a Região Minho, mas preferirei o Norte à situação actual.


15. BA - Observando os relatórios de execução dos fundos comunitários entre 2000-2007, verificamos que a NUTS III Grande Porto que em 2001 estava com um poder de compra de 130,9% em relação ao Norte (100%), que possuía ~3,8% do território, ~34,2% da população, concentrou em média ~45,5% dos fundos regionalizáveis. Qual a sua opinião face a esta centralização na região mais rica, quando a UE pretende promover com estes fundos a convergência territorial? Como se explica a ausência total da denuncia deste factos por parte de todas as forças políticas da região?
RR - Essa questão converge com um aspecto que omiti na resposta anterior.
Parece-me inequívoco que além da fragilidade do poder político local, há um claro apagamento (voluntário ou não) por parte da generalidade dos agentes sociais, que não na esfera dos seus interesses particulares.
Aliás, esse apagamento reflecte-se quer no plano externo, quer interno, baixando os patamares de exigência que impendem sobre a Gestão Municipal.
Esta questão remete-nos também para uma outra angústia que afasta muitas pessoas da defesa dos processos de regionalização e afins. Em Braga, dir-se-á que não vale a pena trocar um centralismo de Lisboa por um centralismo do Porto. Em Viana, seguindo o discurso do anterior Presidente da Câmara, dir-se-á que não se quer trocar um centralismo do Porto, por um centralismo de Braga.
E esse é também o meu maior receio em relação a este tipo de projectos: conseguirá incutir-se aos vários protagonistas uma perspectiva macro, uma visão que ultrapasse as fronteiras dos seus territórios ou os limites dos seus interesses directos?
Eu acho que vale a pena a experiência, dado que situações como aquela que aludem me parecem verdadeiramente insustentáveis, politicamente criticáveis e socialmente inaceitáveis.


16. BA - Actualmente não existe ligação ferroviária directa de Braga a Barcelos, Guimarães e Viana do Castelo. No âmbito da futura estação do TGV está contemplado o fecho do Anel Ferroviário, com a ligação a Guimarães. Entende como útil além deste fecho, o prolongamento desta linha a noroeste da cidade de Braga até à cidade de Barcelos, ligando assim o Ramal de Braga (e as cidades de Braga e Guimarães) directamente à cidade de Barcelos e de Viana (através da Linha do Minho)?
RR - Eu defendi desde a primeira hora a criação do Metro de Superfície a ligar as quatro cidades do Quadrilátero (Braga, Guimarães, Barcelos e Famalicão).
A partir daí, as condições técnicas (sobre as quais me escuso de pronunciar) e as condições económicas e financeiras podem justificar em cada momento esse alargamento do investimento,
Realisticamente, porém, à luz das circunstâncias actuais, eu diria que esse alargamento é inexequível e que os agentes locais deviam concentrar a sua atenção na criação de condições para a materialização desse projecto tão breve quanto possível.


17. BA - 2013 pode ser finalmente o ano da tão desejada viragem para o município? E caso ganhasse as eleições em 2013, quais seriam as linhas de acção, e quais seriam os principais projectos?
RR - Falar em mudança em Braga já deixou de ser uma miragem distante. Creio mesmo que já se sentia uma convicção generalizada de que 2009 seria o ano dessa viragem e que, mais do que ambicionada, ela era necessária e justificada.
A cada dia que passa, há seguramente mais Bracarenses a pensar que essa foi uma oportunidade perdida, emocionalmente condicionada por diversos factores, mas inequivocamente perdida.
O projecto que eu tenho a honra de liderar mantém-se, pois, absolutamente actual e constitui uma proposta que pode trazer verdadeiras mais-valias para o Concelho.
Ele traduz uma alteração de postura e de prioridades que vai, estou certo, ao encontro do que hoje pretende a maioria dos Bracarenses, no esforço conjunto que temos de desenvolver para fazer de Braga uma cidade de excelência, para viver, para trabalhar, para estudar, para visitar e para oferecer às nossas famílias.
Indiscutivelmente, a Câmara de Braga tem que ser credibilizada, dignificada e projectada como exemplo de boas práticas pelos projectos que desenvolve e pela capacidade de mobilizar a sociedade local em torno dos mesmos.
Em termos sectoriais, a referida dinamização económica, a requalificação e ordenamento urbano, a qualificação ambiental, o reforço do apoio social, o fomento da actividade cultural são, entre outros aspectos, pontos-chave de qualquer projecto municipal futuro.
Neste âmbito, uma iniciativa ambiciosa de reabilitação do parque edificado e dos espaços urbanos do centro da cidade, a qualificação das novas urbanizações em matéria de áreas verdes e de equipamentos, o Parque das Sete Fontes e o projecto integrado para o parque da Ponte estarão na primeira linha das minhas iniciativas.
É também por isso que, nas circunstâncias actuais, reitero o meu compromisso e empenho neste objectivo. Não por qualquer objectivo estritamente pessoal ou de grupo, mas porque estou convicto que Braga e os Bracarenses merecem mais e melhor e que ninguém tem melhores condições para concretizar tal desiderato.


18. BA - Para terminar, em 5 palavras como define Braga actualmente? E já agora, porque a ocasião o requer, qual a mensagem de Ano Novo para os foristas do Bracarae Avgvste?
RR - Braga é “uma grande cidade ainda adiada”.
Aos foristas do Bracarae Avgvste, para lá de lhes desejar o máximo de felicidades possíveis para todos os planos das suas vidas – pessoal, profissional ou académico -, lanço-lhes também o repto de que aproveitem este ano para exercer em pleno a sua cidadania. Para que continuem vigilantes e activos, na defesa das suas causas e da ambição de termos uma Braga cada vez melhor.

Ricardo Rio
rrio@juntosporbraga.com



Fórum Bracarae Avgvste © 2010
Todos os Direitos Reservados


INFORMAÇÃO: A transcrição/cópia/impressão desta entrevista deve ser precedida de um pedido de autorização a um dos membros da equipa do fórum, e deverá ser sempre acompanhada da fonte e do link http://www.forum.bracarae-avgvste.com
Imagem
Avatar do Utilizador
DoctorDre
Administrador
 
Mensagens: 4267
Registado: segunda fev 18, 2008 11:53 pm
Localização: AMB

Re: Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Mensagempor DoctorDre » sábado jan 29, 2011 6:41 pm

Só hoje tive tempo de ler esta parte na totalidade!... O meu comentário é: nunca mais é 2013.
Imagem
Avatar do Utilizador
DoctorDre
Administrador
 
Mensagens: 4267
Registado: segunda fev 18, 2008 11:53 pm
Localização: AMB

Re: Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Mensagempor DoctorDre » domingo jan 30, 2011 4:02 pm

Estejam atentos aos jornais da cidade amanhã ;)
Imagem
Avatar do Utilizador
DoctorDre
Administrador
 
Mensagens: 4267
Registado: segunda fev 18, 2008 11:53 pm
Localização: AMB

Re: Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Mensagempor Domador » domingo jan 30, 2011 7:51 pm

andre_carneiro Escreveu:Só hoje tive tempo de ler esta parte na totalidade!... O meu comentário é: nunca mais é 2013.

Será mesmo em 2013? Eu gostava mas não estou assim tão confiante. Este senhor só pela persistência já merecia, mas não sei a sociedade parola bracarense o vai permiar. Reparem que agora nas inaugurações o vice aparece sempre e já vai falando para a comunicação social, além disso aposto que o MM vai andar sempre ao lado dele na campanha.

Gostei das ideias dele, embora haja algumas coisas que não concordo muito, o plano de acção que pretende tratar é optimo, mas outra coisa é concretizar, vamos la ver se consegue, esperemos que sim.

Boa entrevista, venha a próxima :D
Domador
Bispo
 
Mensagens: 81
Registado: segunda jan 03, 2011 7:00 pm

Re: Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Mensagempor DoctorDre » segunda jan 31, 2011 2:35 pm

Imagem
Avatar do Utilizador
DoctorDre
Administrador
 
Mensagens: 4267
Registado: segunda fev 18, 2008 11:53 pm
Localização: AMB

Re: Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Mensagempor Duarte » segunda fev 07, 2011 4:50 pm

Hoje reli a entrevista do principio ao fim com calma, e a frase que mais me marcou curiosamente está no fim: RR - Braga é “uma grande cidade ainda adiada”.

Temos potencial para sermos ainda maiores e melhores do que o que somos!
|Days of War|
Avatar do Utilizador
Duarte
Administrador
 
Mensagens: 5088
Registado: quinta mai 21, 2009 9:51 pm
Localização: Braga

Re: Entrevista a Ricardo Rio - Parte II

Mensagempor Brc20 » segunda Oct 17, 2011 6:05 pm

Nova entrevista de Ricardo Rio ao Correio do Minho:


Serei o próximo presidente da câmara

ENTREVISTAS
2011-10-15
autor-José Paulo Silva



Ricardo Rio fala com a convicção de quem já ganhou as próximas eleições. A meio do actual mandato autárquico, o vereador do PSD admite uma privatização parcial dos transportes urbanos de Braga. O líder da oposição calcula que mais de 10 por cento do orçamento municipal esgota-se nos compromissos da parceria público-privado e do novo estádio.



P - Já foi por duas vezes candidato a presidente da Câmara de Braga. Vai recandidatar-se?
R - Assim o desejo. É nesse sentido que tenho desenvolvido o meu trabalho político autárquico ao longo destes dois anos e que pretendo desenvolvê-lo nos próximos dois. E também respaldado no apoio que me foi expresso, desde a primeira hora, pelos órgãos e dirigentes dos partidos da coligação ‘Juntos por Braga’ (n.r. PSD, CDS-PP e PPM). Ainda recentemente, o líder do PSD e primeiro-ministro expressou isso mesmo. Partilho a convicção de que serei o próximo presidente da Câmara de Braga.

P - Tirando alguns imponderáveis que podem surgir, é o candidato da coligação ‘Juntos por Braga’?
R - Isso terá que passar por um processo formal de reconhecimento dos partidos. A minha convicção é que esse processo formal irá confirmar aquilo que é hoje a minha convicção de que os bracarenses não perceberiam que o candidato da coligação nas próximas eleições autárquicas fosse outro que não o Ricardo Rio.

P - Não é habitual na política portuguesa alguém que perde duas eleições autárquicas seguidas recandidatar-se uma terceira vez. Chegou a ponderar não avançar mais, embora tenha subido a sua votação da primeira para a segunda eleição ?
R - Quem desenvolve um trabalho de oposição como nós desenvolvemos em Braga, a reflexão que tem de fazer é pessoal, mais do que sobre a capacidade política. Tem de pensar se se sente motivado e disponível para continuar um trabalho que, por vezes, é ingrato, que exige sacrifício pessoal, profissional, familiar e financeiro, e se o deseja fazer tendo por vista propiciar algo diferente aos seus concidadãos. Eu fiz essa reflexão e ponderei se este era o caminho que deveria manter na minha intervenção pública. Aí foi decisivo o apoio que recebi da minha equipa, de vários dirigentes e de autarcas de freguesias. Eu não quero ser candidato, eu quero ser o próximo presidente da Câmara de Braga. Não acredito que exista um eleitor da coligação ‘Juntos por Braga’ que, neste momento, se sinta defraudado com o seu voto nas últimas eleições. A progressão eleitoral de 2001 para 2005 de cerca de cinco mil votos, de 2005 para 2009 com mais 6 500 eleitores, continuará a verificar-se nas próximas eleições.

P - São já evidentes as movimentações no interior do PS para a escolha do candidato à Câmara de Braga, já que o actual presidente não se pode recandidatar. O deputado António Braga e o vereador Victor Sousa são apontados como candidatos do PS...
R - E o vereador Hugo Pires.

P - Qual é o melhor candidato para os interesses da coligação ‘Juntos por Braga’?
R - É muito difícil avaliar objectivamente, na óptica dos interesses da coligação, qual seria o melhor candidato do PS. São pessoas com perfis e experiências diferentes, mas que acabam por ter uma linha comum: todos, de uma forma continuada e indefectível, mostraram-se sempre alinhados com a gestão de Mesquita Machado e nunca conseguiram contribuir para um paradigma de mudança dessa mesma gestão.

P - É-lhe indiferente um ou outro candidato do PS?
R - É. Foi assim que fizemos no passado. Sempre assumi que o nosso trabalho é feito com base em projectos e ideias para a cidade, com base em contactos que vamos tendo com instituições e pessoas.

P - Olhando para a história autárquica em Braga, Mesquita Machado é a mais-valia do PS. As próximas eleições são a oportunidade de ouro de a coligação ‘Juntos por Braga’ chegar ao poder?
R - Tenho a convicção de que Mesquita Machado podia ter perdido as eleições de 2009.

P - Por que é que não perdeu?
R - Por um conjunto de factores, mais ou menos objectivos. Quem está no poder tem meios para usar um último argumento junto do eleitorado. A capacidade de, à boca das eleições, se proceder a centenas de inaugurações, muitas delas despropositadas, acaba por criar a ilusão de realização. Para além disso, nas últimas eleições autárquicas, houve um factor que foi decisivo: o peso da carga emotiva da substituição do presidente Mesquita Machado, depois de tantos anos de exercício do cargo. Acho que em muitos bracarenses esteve presente a ideia do último mandato de Mesquita Machado. Pensaram: Por que é que o vamos mudar agora? Ricardo Rio ainda é uma pessoa nova. Foi pena que assim acontecesse, porque perderam-se quatro anos. Se o anterior mandato não foi particularmente brilhante, este tem sido marcado por circunstâncias que agravam o desencanto.

P - Se tivesse sido eleito presidente da Câmara de Braga em 2009, com a conjuntura económico-financeira que o país atravessa, teria tido capacidade de fazer melhor do que o PS?
R - A mudança na gestão da câmara não tem apenas a ver com a forma como os recursos são alocados, embora isso também seja importante. Tenho dado como exemplo o Parque do Picoto, que eu julgo que não é um projecto que vem criar uma verdadeira mais-valia, atendendo às necessidades da cidade.

P - Se fosse presidente, não avançaria com o projecto do Picoto?
R - Nesta fase e com as actuais condições não avançaria. Há uma questão que é crítica: as expropriações. A câmara está a trabalhar sem rede nesta matéria. Não há um valor claro dos custos das expropriações. É uma maneira irresponsável de conduzir este processo, arriscando-se a repetição daquilo que se passou com o novo estádio municipal.

P - Está a dizer que com as mesmas restrições orçamentais e com a queda de receitas a pique no sector do urbanismo faria melhor?
R - Convém dizer que, no que respeita ao IMI, com a política que a Câmara tem seguido com aplicação de taxas máximas, as receitas têm subido. Muito mais prioritário que o Monte Picoto seria investir no Parque das Sete Fontes. Há outros projectos que são absolutamente prioritários para o futuro da cidade, como é a regeneração urbana. A Câmara já se predispôs a estudar o problema, mas basta ver os fundos necessários para concretizar um projecto de regeneração urbana para perceber que aquilo que se gastou no estádio municipal ou na constituição da parceria público-privado e no Picoto é desviar recursos daquilo que é prioritário.

P - Se tivesse sido eleito presidente da Câmara, teria que assumir esses custos do estádio e da parceria público-privadas.
R - Em relação ao estádio, sim. Relativamente à parceria, não necessariamente. A Câmara tem vindo a retirar projectos da parceria.

P - Mesquita Machado disse que algumas obras sairiam da parceria se houvesse financiamento comunitário.
R - Até agora não tiveram. Recordo a piscina olímpica, que para nós é um projecto emblemático da má gestão socialista dos últimos anos.

P - Tem criticado o PS pela fixação de taxas máximas do IMI e da derrama municipal, mas o PSD, a nível nacional, tem defendido a necessidade de mais receita fiscal. É justo pedir à Câmara de Braga que vá em sentido contrário?
R - É justo atendendo ao suposto diferente enquadramento do país e do município de Braga. No dia em que Mesquita Machado disser que a Câmara está numa situação de pré-falência como está hoje o país e necessita de meios financeiros para solver os seus compromissos, sou o primeiro a dizer que vamos socorrer-nos de todos os meios ao nosso alcance. O que ouvimos o presidente dizer é que a Câmara tem grande capacidade financeira e de endividamento. Infelizmente, os bracarenses só vão saber qual é a real situação financeira da Câmara quando uma nova gestão entrar na Praça do Município. Convém recordar um relatório da Inspecção de Finanças, no final do anterior mandato, que denunciava a ocultação de despesas e a não conformidade dos reportes financeiros.

P - Como economista, quando analisa os relatórios da Câmara fica com dúvidas?
R - Fico. Não tanto pelo que lá está mas pelo que lá não está.

P - Tem noção dos encargos financeiros da parceria público-privada?
R - Representa entre cinco e sete por cento do orçamento camarário. Os encargos com o estádio e as expropriações do parque norte representam seis a sete por cento. Mais de dez por cento do orçamento é esgotado em compromissos assumidos no passado.

P - Que parâmetros deve ter o próximo orçamento camarário?
R - Deveria ser capaz de mobilizar a sociedade bracarense. Estou a lembrar-me, por exemplo, das agendas que foram negociadas com a Universidade do Minho e que, dois anos volvidos, tiveram zero de concretização.

P - A propósito da regeneração urbana, chegou a falar-se de uma nova empresa pública municipal. Tendo em conta que a ‘troika’ aconselha a não constituição de novas empresas municipais, não há aqui uma opção em contra-ciclo, assumido pela própria coligação?
R - A coligação nunca defendeu a criação de uma nova empresa municipal. Defendo que a regeneração urbana deve ser integrada na empresa municipal Bragahabit ou nos serviços municipais. Aquilo que a coligação defendeu nas eleições de 2009 e que um estudo recente vem corroborar é a necessidade de uma verdadeira parceria público-privada para concretizar o projecto da regeneração urbana. Na nossa perspectiva, isso concretizar-se-ia com a constituição de um fundo de investimento imobiliário onde os proprietários poderiam participar com entregas em espécie dos imóveis.

P - O que é que defende para o conjunto das empresas municipais?
R - É preciso clarificar a sua intervenção estratégica. A Bragahabit não pode ser uma empresa de apoio à habitação e depois dispersar-se em outras áreas de actividade que não são o cerne do seu objecto social. Já uma intervenção na regeneração urbana, de apoio às juntas de freguesia na criação de habitação a custos controlados, de relacionamento com associações de moradores e de condóminos, isso parece-me claro. No caso do Parque de Exposições de Braga, defendemos que deve alargar a sua actuação no sentido de ser uma empresa de dinamização económica que integre a gestão do mercado municipal, a participação no mercado abastecedor e o projecto Braga Digital.

P - O Projecto Braga Digital ainda existe?
R - Eu presumo que exista.

P - Tem-se ouvido pouco a coligação ‘Juntos por Braga’ falar do Braga Digital.
R - A última vez foi a propósito da alienação da Escola Profissional de Braga, quando descobrimos que o ‘data center’ ali instalado estava desaproveitado. O grande problema do Braga Digital é que o investimento feito não teve um efeito claro reprodutivo. Há pequenos progressos na gestão dos transportes urbanos, mas no cômputo geral o investimento foi um fracasso claro. Uma Câmara como a de Braga já devia estar dotada de um serviço de gestão da informação e de tramitação de processos verdadeiramente fluida.

P - Se fosse presidente da Câmara nesta altura, a empresa municipal Transportes Urbanos de Braga (TUB) era para continuar?
R - Os TUB são a situação mais complicada do ponto de vista financeiro. É a empresa que acumula mais prejuízos.

P - Com a justificação de que presta serviço social...
R - Aí é a pedra de toque. Temos que pensar que a eventual extinção de uma empresa desta natureza não extingue o serviço por ela prestado. Esse serviço é inalienável.

P - E pode ser prestado por privados?
R - Pode. É possível o equilíbrio entre a qualidade do serviço e o preço. Isso foi conseguido com algum sucesso na Agere, com alguns cuidados que é preciso ter na angariação de receitas para que elas não sejam excessivas face ao potencial de pagamento de utentes.

P - Em sua opinião, isso verifica-se na Agere?
R - As taxas de ligação às redes de água e saneamento parecem-me claramente excessivas.

P - Nos TUB será possível alienar a privados?
R - Julgo que é possível abrir uma participação a privados, mas mantendo sempre a maioria de capital público como acontece na Agere e, mais do que isso, um exercício efectivo da maioria. O que vemos é que a Câmara, nas entidades em que tem maioria, não exerce esse poder maioritário. Há uma questão central em relação às empresas municipais: a responsabilização dos gestores. Não é possível olhar para uma empresa municipal sem definir objectivos claros, quantificados e calendarizados para os que exercem funções de gestão. Em Braga as empresas municipais nunca foram pólo de recrutamento de gestores muito capazes, mas sim de recompensa para aqueles que exerceram funções autárquicas e foram gozar as suas reformas douradas.

P - Justifica-se a Câmara ser proprietária do Theatro Circo?
R - Julgo que sim. O Theatro Circo tem um enquadramento histórico.

P - Mas se defende uma participação privada nos TUB...
R - Há que distinguir duas questões: uma é a detenção do capital, outra é a gestão. Julgo que é possível alienar ou contratualizar a gestão com entidades privadas sem ter que alienar capital. Em todos os programas eleitorais do PSD se defendeu que o Parque de Exposições de Braga devia ser gerido pelas associações empresariais, nunca se disse que se deveria aliená-lo a essas associações.

P - O Theatro Circo poderia ter uma gestão privada?
R - Lamentavelmente, o Theatro Circo é umas das situações em que a Câmara investiu no ‘hardware’ e não no ‘software’. Fez-se uma recuperação notável do edifício mas, depois do director Paulo Brandão, houve um esfaziamento progressivo da actividade com a redução substancial do financiamento. O Theatro Circo continua muito aquém daquilo que poderia ser enquanto agente dinamizador cultural do concelho.

P - Apontou a piscina olímpica como exemplo do despesismo da gestão socialista e diz que não investirá mais dez ou doze milhões de euros na sua conclusão. Qual é a solução? Demolir o que está feito?
R - Não, até porque a demolição teria custos. Terá de haver uma conversa com o arquitecto para perceber se é possível transformar aquela estrutura onde já se gastaram oito, nove ou dez milhões de euros em algo utilizável sem um custo tão significativo. Gastar mais 12 ou 13 milhões de euros para concluir a obra é algo absolutamente impensável e criminoso até. Com o valor que falta para concluir aquele equipamento, eu consigo fazer duas ou três piscinas. Eu disse que a estrutura da piscina poderia ficar como memorial do despesismo socialista, mas é óbvio que ninguém quer ficar com uma obra inacabada. O grande parque urbano norte que a Câmara apregoou anos a fio esvaziou-se e fica ilustrado na estrutura inacabada que são as piscinas olímpicas.

P - Vai ser candidato à Câmara de Braga num quadro de reorganização administrativa, com menos freguesias e um sistema de eleição com lista à Assembleia Municipal. Relativamente à reforma das freguesias, parece estar algo reticente em relação ao mapa que é proposto para Braga. Tem uma proposta de mapa para o concelho?
R - Mapa não tenho. A reforma, tal como está configurada, terá que respeitar determinados critérios, embora numa sessão de esclarecimento sobre esta matéria, o nosso companheiro Paulo Júlio ( n.r. secretário de Estado das Autarquias Locais) tenha dito que aqueles critérios são indicativos, uma primeira proposta para desencadear o processo. Espera-se que, localmente, surjam propostas concretas. Eu acho que é importante racionalizar a administração local. Mais do que um controle dos custos associados ao funcionamento das juntas de freguesia, vai ser um contributo para algo que, lamentavelmente, não aconteceu no passado, à escala dos municípios e das freguesias: um planeamento integrado do território.

P - Isso não é possível fazer-se com o actual número de freguesias?
R - Poderia ter sido e lamentavelmente não foi. Não se olhou para uma coope- ração das freguesias e dos municípios.

P - No caso de Braga, a passagem de 62 para 20 freguesias...
R - O método e os critérios da reforma administrativa são discutíveis. Por isso, acho que devia haver um trabalho de todas as forças partidárias para o melhor mapa possível. Temos de reconhecer que em Braga há freguesias com afinidades naturais e históricas, com equipamentos sociais e educativos de referência.

P - Há já assembleias de freguesias do concelho a manifestarem-se contra a reforma.
R - Eu compreendo essas reacções. Até poderão ser legítimas, mas aquilo que é o sentimento dos autarcas pode não traduzir fielmente o sentimento das populações sobre esta matéria. Há pessoas que sentem a agregação de freguesias quase natural. Devemos encontrar uma solução que cumpra o objectivo de reforçar o planeamento integrado do território.

P - Entre os autarcas de freguesia da coligação ‘Juntos por Braga’ há alguma tentativa de entendimento?
R - Há predisposições para.

P - Não teme estar a criar uma guerra com esses autarcas?
R - Eu não vou criar guerra nenhuma. Quem criou esta guerra foi quem incluiu esta reforma no memorando da troika e quem, logo a seguir, a assumiu no seu programa eleitoral. Uma reforma deste tipo não pode ser apenas de um partido, tem de ser consensualizada com a sociedade civil.

P - Acredita que a reforma vai por diante?
R - Acredito.

P - O presidente da Câmara de Braga afirmou que proposta dele são as actuais 62 freguesias...
R - Isso só demonstra o quão ultrapassado está Mesquita Machado nesta matéria.

P - Por que é que o Ricardo Rio não assume um mapa alternativo às 62 freguesias?
R - Um trabalho que eu acho notável nesta matéria é o que está a ser feito na Póvoa de Lanhoso. A Assembleia Municipal constituiu uma comissão com todos os partidos e técnicos da Câmara. Esta reforma tem que ter alguma racionalidade que só se consegue com uma sustentação técnica. Braga devia seguir esse modelo.

P - Acha que é uma redução de 62 para 20 freguesias é aceitável?
R - Não é fugir à questão, mas é muito difícil, de uma forma genérica, avaliar esse tipo de redução. Depende de quais sejam as competências das freguesias, de como elas serão estruturadas no futuro. Não percebo o discurso do presidente da Câmara que admite fusões nas freguesias urbanas e não nas freguesias rurais. Freguesias que servem 10 ou 20 mil eleitores são inúteis?

P - Nas zonas urbanas, as competências das juntas de freguesias diluem-se nas das câmaras.
R - Está a olhar para a realidade de Braga. Defendo há muito o reforço das competências das juntas por delegação da Câmara. A coligação, no mandato anterior, apresentou um conjunto de iniciativas a protocolar voluntariamente entre a Câmara e as juntas, que cumpria um protocolo entre as associações nacionais de freguesias e municípios. Foi reprovado pela maioria socialista.

P - Será um dano para Braga não se avançar com uma comissão eventual para a reforma administrativa?
R - Julgo que sim.

P - Vai imputar essa responsabilidade ao presidente da Câmara?
R - Não tanto a Mesquita Machado. António Braga, que era membro do Governo que assinou o memorando com a troika e que é o presidente da Assembleia Municipal, tem nesta matéria uma responsabilidade particular. António Braga devia ter tido a responsabilidade de dar o seu contributo sobre esta matéria.

P - A bancada do PSD na Assembleia Municipal não vai propor a criação da comissão?
R - Ela já foi proposta pela bancada do CDS/PP.

P - A reforma da administração local aponta para a redução do número de vereadores. Acha possível governar a Câmara de Braga com menos vereadores?
R - Acho.

P - A Câmara de Braga tem vereadores a mais?
R - A questão não é ter vereadores a mais ou a menos. Ter vereadores a mais até poderia potenciar uma maior representatividade. Repare que a mudança da eleição da Câmara a partir da Assembleia Municipal vai potenciar isso. Ninguém se iluda que nas próximas eleições autárquicas será mais difícil qualquer força partidária conseguir uma maioria.

P - Partindo da sua convicção de que vai ganhar as próximas eleições, está ciente de que poderá governar em maioria relativa?
R - Estou. Não vejo nenhum óbice a que a governação da Câmara seja feita numa base minoritária, porque sinto-me capaz de uma postura de diálogo com as outras forças partidárias, o que, de forma indesmentível, Mesquita Machado não tem.

P - A coligação ‘Juntos por Braga’ já manifestou algumas dúvidas e inquietações sobre a organização da Capital Europeia da Juventude. O que é que receia em concreto?
R - Quando a coligação apresentou, no anterior mandato, a ideia da Capital Europeia da Juventude deu algo ao actual executivo municipal para poder dizer que tem alguma realização. Felizmente que assim é. Quando apresentámos essa proposta tínhamos um objectivo claro: usar a Capital Europeia como alavanca reformadora das políticas para a juventude do concelho, que é algo transversal. Nessa matéria, a Capital Europeia da Juventude não está a prometer ser esse elemento de reforma. Em segundo lugar, uma iniciativa como esta teria que ser construída, desde a primeira hora, numa lógica de participação das associações mais representativas do público jovem. Aquilo que nós constatamos no terreno é que várias associações vêm expressar o seu lamento por não serem envolvidas na Capital Europeia da Juventude.

P - O modelo utilizado em Braga, diferente do da Capital Europeia da Cultura em Guimarães, não é garante de um resultado menos polémico no que respeita ao envolvimento das instituições?
R - Não sei. Temos que relativar. Olhando para os orçamentos, uma Capital da Juventude com 1,5 milhões de euros mais as comparticipações de fundos comunitário não tem comparação com uma Capital da Cultura que tem 100 milhões de euros.

P - Com esse orçamento limitado como é que a Capital Europeia da Juventude pode ser o tal motor reformista?
R - Essa reforma das políticas municipais não carece de recursos, carece sim da alteração dos objectivos e das iniciativas. Enquanto evento, a Capital Europeia da Juventude poderia sobreviver com uma capa diferente: com o vereador da Juventude e os seus assessores sem serem presidente e administradores de uma fundação. Não queremos usar estas questões em volta da Capital Europeia da Juventude para denegrir o evento e projectar uma imagem negativa de Braga. Apesar de alguns procedimentos não estarem a ser o mais rigorosos e transparentes, não é isso que pode por em causa o sucesso do evento.

P - Teve até há bem pouco tempo uma colaboração com a organização de Guimarães Capital Europeia da Cultura, situação que provocou polémica nos meios políticos. Voltava a aceitar essa colaboração?
R - Voltava. Aquilo que me levou a ser recrutado pela Fundação Cidade de Guimarães foram os meus atributos profissionais. A polémica política que se instalou só atestou alguma capacidade de influência do PS de Braga sobre o PS do distrito. O incómodo da minha contratação verificou-se mais no PS de Braga do que no de Guimarães.

P - A não renovação da sua assessoria deveu-se a questões políticas?
R - Exclusivamente. Como é óbvio.

P - Quando o contrataram foi para continuar até final de 2012?
R - O contrato inicial era até final de Junho de 2011, embora esta actividade pudesse vir a ser prolongada.

P - O antigo e o novo Hospital de Braga. Qual é o seu projecto para o espaço do antigo hospital que está devoluto, sendo certo que o edifício é da Misericórdia?
R - Precisamente por isso reuni com os responsáveis da Misericórdia. O que me transmitiram é que uma série de oportunidades para o aproveitamento das instalações tinham-se gorado pelo retardar da libertação das mesmas. Esta questão merece o empenho claro da Câmara a dois níveis. Em primeiro lugar, o aproveitamento de parte das instalações por parte da Câmara.

P - Isso traria mais encargos para a Câmara.
R - A renda de todo o hospital era de 25 mil euros...

P - O que é que a Câmara poderia transferir para o antigo hospital?
R - A nossa proposta é a de instalação de um centro cívico, um espaço de acolhimento de associações e colectividades. A criação de uma comissão com as principais instituições da cidade para estudar o aproveitamento das instalações é uma boa ideia. Pelo facto de não encontrarmos ainda uma solução, estamos a assistir as consequências devastadoras no comércio da zona envolvente do antigo hospital. Lamentável foi chegar-se a este ponto.

P - Mas o principal impecilho neste processo foi o próprio Estado ao não informar a tempo a Misericórdia das suas intenções.
R - Uma questão que é objectiva: havia uma informação pública de que o novo hospital abria em Maio de 2011.

P - Quanto ao novo hospital, têm surgido muitas queixas sobre o seu funcionamento. O que deve ser a actuação do município nesta área?
R - O município falhou em vários momentos deste processo, desde logo ao não tomar uma posição mais vigilante sobre a concretização da obra e falha agora ao não diligenciar que o investimento seja rentabilizado da melhor forma. 
Mas não podemos generalizar e pensar que tudo está mal no novo hospital que deu um contributo positivo para a prestação dos cuidados de saúde no concelho.




Entrevista bastante extensa, o que acharam?
Brc20
Arcebispo
 
Mensagens: 1316
Registado: quarta mar 05, 2008 5:17 pm


Voltar para Entrevistas

Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante